Continuando o artigo anterior parte 3

Começaremos com algo chamado de roteiro de transformação. Ou seja, em vez de posicionar o desafio de negócios em um único quadrantes, antes posicionaremos a solução definitiva. identificaremos etapas menores para atingir a meta final. Ao traçar as etapas até a solução, criaremos o roteiro de transformação. Cada etapa menor agregará valor ao longo do caminho, o que também fará a liderança aceitar seu estudo de negócios.

É importante lembrar que o roteiro de transformação tem duas dimensões. No eixo horizontal, o cronograma das próximas etapas até a visão final. No eixo vertical, o processo de melhorias incrementais para soluções. A interseção entre esses dois eixos cria quatro quadrantes. Melhorias rápidas são projetos que podem ser iniciados imediatamente, fáceis de implementar e úteis para todos.

Desenvolvimentos são projetos que podem levar mais tempo, mas que ainda operam no ambiente atual de negócios da sua organização e dos clientes. As interrupções são importantes. São projetos que ajudarão você a explorar métodos muito mais inovadores e rápidos para chegar à sua visão final. As transformações marcam sua visão final. Ao criar o roteiro, você precisará começar por esse quadrante. Voltaremos ao exemplo da loja de roupas.

A meta final é criar um serviço personalizado de assinatura que transforma a casa dos clientes em um provador de roupas. Colocaremos esse item no quadrante de transformação, no canto superior direito. Atingir essa meta final pode parecer difícil. Portanto, veremos melhorias rápidas na próxima etapa. Por exemplo, você pode extrair insights dos dados do usuário para descobrir como seria o visual de uma boa caixa de amostra. O tamanho, o design e a quantidade de itens que ela contém podem se inspirar no que os clientes levam até o provedor ou no que colocam no carrinho antes de finalizarem compras on-line.

Esse por si só é um projeto válido. É algo que agrega valor em um período bem curto com relativamente pouco esforço. Então por que não fazer isso? Embora possa parecer mais simples e natural avançar para os desenvolvimentos agora, recomendo que você vá o mais rápido possível para o quadrante das interrupções. Um dos caminhos mais perigosos é seguir somente no eixo horizontal. Se você permanecer nesse nível e na zona de conforto da sua organização durante muito tempo, só fará melhorias, e ficará cada vez mais difícil fazer a transformação.

Interrupções são iniciativas que podem ser realizadas em curto prazo. No nosso exemplo, dissemos que o cliente poderia conversar com um assistente em tempo real. Você já tem uma linha de atendimento ao cliente, mas, antes de lançar o serviço, como ela pode ser reinventada? Você pode escolher automatizar a primeira etapa com um assistente de linguagem natural para entender a natureza da interação e as emoções do cliente, designando o consultor mais adequado ao caso.

Esse seria um projeto rápido e focado que não só agrega valor, mas, ainda mais importante, demonstra sua vontade de mudar e se afastar das soluções atuais. Em seguida, você pode pensar nos desenvolvimentos, que geralmente são a extensão das melhorias rápidas. Os desenvolvimentos são contínuos por natureza e criam progresso em escala para as atividades. No exemplo, a exibição nas lojas dos protótipos de caixas criadas poderia ser um display onde o cliente pega o produto, o que criaria seleções coerentes de itens para vender a um preço especial. Mesmo sem usar novas tecnologias para transformar a casa do cliente em um provador, ainda há muito a aprender sobre as combinações certas de produtos e serviços na zona de conforto da loja.

Isso também pode ser uma operação promocional interessante que gera receita à empresa, além de ajudar a identificar clientes modelo para ofertas futuras. Aqui você pode conectar os pontos. No exemplo, é possível combinar a nova experiência na loja com sensores e o projeto de assistente para alcançar a visão. Daremos um nome ao projeto: "The Style Dream". Passamos por todo o caminho do roteiro e chegamos à transformação. A cada etapa do processo, você agregou valor à empresa e impulsionou o setor.

A transformação não exige grandes investimentos iniciais para um projeto que só vai gerar valor no futuro. Esses projetos pequenos são degraus para a transformação e definem o roteiro, além de gerarem valor por conta própria. Ao usar esse roteiro, também é possível manter o foco na visão final, a transformação. Você não ficará preso na zona de conforto da organização. Em vez disso, manterá impulso rumo a uma solução realmente revolucionária. Ter um entendimento claro das etapas que você precisará seguir no processo de transformação também dará suporte ao seu business case. Falaremos um pouco disso depois. A seguir, veremos a estratégia de dados, as informações necessárias para garantir que você conclua todos os projetos ao longo do seu processo de transformação E-business.

Como criar uma estratégia de dados de alto nível para sua jornada de transformação E-business

Você analisou os dados da empresa de ponta a ponta, categorizando as informações em três intervalos: usuário, corporação e setor. Esse ecossistema e os insights que podem ser gerados ao combinar os conjuntos de dados ajudam a refinar seu desafio de negócios. Agora identificaremos os conjuntos de dados específicos necessários em cada etapa do processo de transformação. Para isso, seguiremos três etapas gerais.

Primeiro definiremos tudo o que você precisa saber para chegar à meta final. Depois, categorizaremos os dados de acordo com o que você tem, o que precisa obter e, caso não existam, o que precisa ser coletado. Por fim, discutiremos ideias sobre como obter os dados que você precisará coletar. Nesta etapa, veja um arquivo modelo para seu caso de uso. e veja as estratégias para proteger e manter a privacidade dos dados.

Por enquanto, vamos definir tudo o que você precisa. Pegue seu modelo ou um pedaço de papel e liste 10 conjuntos de dados que ajudariam você a concluir o projeto. Não se preocupe se são realistas ou simples, escreva o que vier à mente. Usaremos os exemplos anteriores para isso. A meta final é criar a Style Dream, um serviço personalizado de assinatura que transforma as casas dos clientes em provadores exclusivos.

Quais informações você precisa para atingir esse resultado?

É necessário conhecer o usuário, a idade dele, dados demográficos, localização geográfica, situação familiar e assim por diante. Se a caixa será personalizada, você também precisará de informações sobre as preferências do cliente: cores, estilo, hábitos, fatos marcantes. O histórico de navegação e compras do cliente no seu site e nas lojas físicas também são pontos de dados importantes. Outras informações valiosas incluem a opinião do cliente sobre o novo serviço de assinatura, como ele vai interagir com a Style Capsule Dream e com os itens, além da probabilidade de recomendação a outras pessoas.

Esses são apenas alguns exemplos para ajudar você a começar a estruturar seus dados. Agora que você identificou uma lista de conjuntos de dados úteis, será preciso categorizá-los. Analise a lista: você já tem esses conjuntos de dados? Caso não tenha, alguém tem as informações que você procura, e você consegue adquiri-las? Por fim, ainda há dados que não existem e que precisariam ser coletados por você? Vamos categorizar os conjuntos de dados usando essas perguntas. Você já tem dados básicos de perfil concedidos pelo usuário durante a criação da conta
on-line e tem ideia dos eventos importantes com base no histórico de compras na loja, no site ou no app e pelo programa de fidelidade. Quais outros dados estão disponíveis para venda com outros fornecedores? Você pode coletar dados de mídias sociais, como curtidas e postagens, e comprar informações de alguns apps que oferecem insights sobre hábitos do estilo de vida.

Isso pode incluir reservas em restaurantes, download de filmes ou até imagens ou quadros em plataformas que mostram as preferências do usuário. Após categorizar, você terá uma seleção de dados bem específicos de que você precisa, que ainda não existem. Como capturar essas informações? Você verá mais sobre isso no próximo post.

Parte 2 deste artigo...